Ligue-nos! (ligação gratuita) Ligue-nos! Clique aqui e nos ligue! (ligação gratuita)
Agência Parceira: RGB Comunicação

Faixas elevadas provocam mudança de comportamento dos motoristas

Se você anda pelas ruas de Sertãozinho, como motorista, ciclista ou como pedestre, de certo tempo para cá, já percebeu uma espécie diferente de lombadas que são planas, em vez da forma arredondada das lombadas tradicionais e que tem faixas de sinalização no sentido do comprimento da pista. Trata-se da faixa elevada, que tem por objetivo fazer com que o veículo reduza a velocidade e ao mesmo tempo permita ao pedestre atravessar a via.
A faixa elevada é regulamentada pela Resolução 495 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) que estabelece os padrões e critérios para a sua instalação. O objetivo, segundo o órgão, é melhorar as condições de segurança para o pedestre, proporcionando maior visibilidade do mesmo pelo condutor. No entanto, segundo o secretário de Segurança Pública de Transito do município, João Batista de Camargo Junior, a implantação das faixas elevadas não é obrigatória, sendo definidas na lei, apenas os padrões de construção das mesmas.
Em Sertãozinho, de acordo com estimativas do secretário, tem cerca de 10 faixas elevadas, com previsão para a construção de mais algumas. Para isso, segundo ele, o departamento faz um estudo para detectar os locais onde mais acontecem acidentes e onde há mais fluxo de veículos e pedestres. Um deles, que já estaria no planejamento, só aguardando a liberação por parte do prefeito, é próximo a rotatória da Avenida Nossa Senhora Aparecida com a avenida Afonso Trigo, local que dá acesso ao distrito industrial e com fluxo muito grande de veículos e pedestres.
Na avaliação de Camargo, a implantação das faixas elevadas trouxe muitos pontos positivos que compensam o custo. Um deles e o mais importante foi a redução de acidentes nos pontos críticos onde as mesmas foram instaladas. A mudança de comportamento dos motoristas, que passaram a parar para os pedestres atravessarem a rua, o que não acontece ainda nas faixas de pedestres convencionais, é outro aspecto positivo apontado por ele. “Tenho recebido mais elogios do que críticas (sobre a implantação das faixas), afirma.
Educação, ciclistas e questionamentos
Como tudo que é novo gera reações variadas, a implantação das faixas elevadas tem despertado alguns questionamentos nas redes sociais da Internet. Alguns motoristas aprovam, outros tem dúvidas a respeito de qual comportamento deve adotar ao cruzar uma faixa elevada. Um deles é sobre se o veículo deve parar para o ciclista atravessar a faixa elevada. O secretário de segurança esclarece que o ciclista, para se beneficiar dessa condição de pedestre, deve descer da bicicleta e empurrá-la enquanto está atravessando a faixa. Assim, o motorista deve parar para que ele atravesse. Ele salienta que o motorista deve sair da autoescola, com sua habilitação, sabendo dessas regras do trânsito.
A instrutora teórica para habilitações, Maria Helena Ferreira Mendes, afirma que durante as aulas teóricas, exigidas pelo Código Brasileiro de Transito (CBT) para que uma pessoa possa receber a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) o aluno aprende todas essas regras. Portanto não v motivos para tais questionamentos. “No transito, o veículo maior e responsável pela segurança do veículo menor, até chegar ao pedestre”, esclarece.